A recuperação das exportações sergipanas em 2011*

*Publicado no Jornal da Cidade em 08/01/2012

Ricardo Lacerda

Professor do Departamento de Economia da UFS

Assessor Econômico do Governo de Sergipe

Qualquer avaliação do comportamento do comércio exterior sergipano não deve desconhecer o peso pouco expressivo que tem o setor externo na dinâmica de crescimento da economia estadual. Considerando a soma das exportações e das importações (a chamada corrente de comércio) e comparando-a com o PIB, é possível afirmar que o comércio exterior é cerca de sete vezes menos importante para Sergipe do que para a média do país (calculando com o PIB de 2009 e o comércio exterior de 2011).

Isso se deve ao fato de que os segmentos mais importantes da economia sergipana, vinculados à sua base de recursos minerais, foram erigidos ao longo das últimas quatro décadas visando o atendimento do mercado nacional. Se o coeficiente de abertura da economia brasileira é relativamente restrito, a economia sergipana depende ainda mais do comportamento do mercado interno brasileiro para crescer.

Ainda assim, algumas atividades da economia sergipana, como a citricultura, a fabricação de calçados e a fabricação de açúcar são muito dependentes do mercado externo, de forma que, quando as exportações dos seus produtos vão mal, as áreas que concentram tais atividades perdem ocupação e renda, e quando as exportações retomam a trajetória de crescimento, o emprego e renda tendem a reagir positivamente nas economias locais.

É nesse sentido, que devemos comemorar a continuidade da recuperação das exportações sergipanas em 2011, notadamente a expansão nas vendas do suco concentrado de laranja.

Retomada

A partir de 2004, as exportações sergipanas, a exemplo do que ocorreu no Brasil, iniciaram uma trajetória fortemente ascendente, que foi interrompida pela crise de confiança da economia mundial de 2008/2009.

Muito dependente do comportamento das vendas dos sucos de laranja concentrado, as exportações sergipanas sofreram maior retração relativa e demoraram mais a se recuperar do que a média do país.

Apesar de certa reação em 2010, o valor das exportações (US$ 76,7 milhões), situou-se somente um pouco acima da metade dos US$ 144, 8 milhões de 2007 e ainda inferior aos US$ 79 milhões de 2006. Com o resultado favorável de 2011, as exportações sergipanas confirmaram a sua trajetória de recuperação, somando US$ 122 milhões, o segundo melhor resultado de sua história (ver Gráfico).

Fonte: MDIC-SECEX

 

Suco de laranja

As atividades de fabricação de sucos, de calçados e de açúcares responderam por cerca de 90% das exportações sergipanas de 2011, sendo que as exportações de suco concentrado de laranja representaram 51,7% do total. As outras duas atividades destacadas tiveram importante expansão, mas foram as vendas externas de sucos que asseguraram, de fato, a forte retomada em 2011.

A tabela a seguir apresenta o valor, as toneladas e o valor médio da tonelada das exportações sergipanas de suco de laranja concentrado congelado (FCOJ), entre 2003 e 2011.

Depois de atingirem, em 2007, US$ 71,4 milhões, as exportações sergipanas de suco concentrado de laranja, abaladas pela retração no mercado internacional, despencaram, até atingir US$ 20,1 milhões, em 2009. A trajetória foi empurrada para baixo pela queda do preço médio da tonelada exportada que, depois de atingir US$ 1,9 mil, em 2007, caiu para US$ 886, em 2009 (ver Tabela).

Fonte: MDIC-SECEX
 

Em 2010, ocorreu um fenômeno interessante, que mostra a defasagem temporal que surge em algumas ocasiões entre a reversão dos preços e a resposta da produção, que é relativamente inelástica no curto prazo. Naquele ano, os preços internacionais começaram a se recuperar, com a tonelada exportada tendo alcançado US$ 1,6 mil, sem que a quantidade exportada tenha esboçado reação, mantendo a trajetória de queda, passando de 22,7 mil toneladas em 2009, para 20,9 mil toneladas. Observe-se que entre 2005 e 2006 ocorreu fenômeno semelhante, com a elevação do preço médio e a queda do volume de exportações.

O mais importante é que a continuidade da recuperação dos preços internacionais em 2011 assegurou a retomada das exportações de suco de laranja, tanto em termos do valor exportado, mas, especialmente importante, do volume comercializado que atingiu 30,6 mil toneladas, causando impactos positivos na região sul do Estado.

Mais artigos do autor em  http://cenariosdesenvolvimento.blogspot.com/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s